Carteira bitcoin: palavras chave

Carteira bitcoin: palavras chave

Dezembro 29, 2017 0 Por Gonçalo Mendes

Lista de palavras chave para entender os princípios de funcionamento de uma carteira bitcoin. Estes princípios são válidos, na sua quase totalidade, para as carteiras de outras moedas.

CADEIA DE BLOCOS

Lista de todos os blocos minerados desde o início da rede bitcoin. É um registo público com todas as transações efetuadas na rede bitcoin. Inclui o endereço bitcoin que faz o pagamento, o endereço que recebe o pagamento e o valor da transação. Não são partilhados nenhuns dados pessoais – apenas endereços bitcoin.

CARTEIRA

A carteira bitcoin, gere o seu saldo de moedas e permite-lhe efetuar pagamentos.
De um modo muito básico e simplista, pode dizer-se que a carteira serve para guardar os bitcoins, mas na realidade, o que é guardado e automaticamente gerido na carteira, são as chaves privadas que dão acesso ao uso dos respetivos bitcoins. Caso se percam as chaves privadas, perde-se o acesso às moedas.

BTC ou XBT

Siglas de bitcoin.

CHAVE PRIVADA

Funciona em conjunto com o endereço bitcoin, representando a parte privada desse endereço. É a chave privada que lhe permite usar os bitcoins num endereço e por isso nunca devem ser reveladas a ninguém. A gestão e uso das chaves privadas dos seus endereços bitcoin, é feita internamente pela sua carteira bitcoin sendo guardadas no ficheiro wallet.dat. É fundamental que mantenha as suas chaves privadas em segurança pois são elas que lhe permitem o uso dos seus bitcoins.

en-btcc-payment-requestCONFIRMAÇÃO

O ato de incluir uma transação de bitcoins num bloco, de modo a cimentar a sua validade.
De cada vez que um novo bloco é acrescentado à cadeia, dado que os blocos estão sequencialmente encadeados, a validade da transação fica mais reforçada. A confirmação de uma transação significa que esta foi processada e validada pela rede. Em média, são necessários 10 minutos para efetuar uma confirmação da transação na rede bitcoin.

DIFICULDADE

Número que representa a dificuldade de encontrar a solução para um novo bloco de moedas. Está relacionada com a quantidade de mineradores ligados na rede e a sua capacidade de cálculo criptográfico. Quantos mais mineradores e capacidade de cálculo estiverem envolvidos a criar moeda, maior é a dificuldade de o conseguir. É um processo de ajuste automático da rede, para que o intervalo médio de tempo entre a geração de blocos se mantenha constante.

ENDEREÇO

É uma chave pública, onde pode receber bitcoins ou para onde pode enviar bitcoins. É uma string de até 34 caracteres que começa pelo numero 1 e que por vezes será representado por um QR code para simplificar a sua utilização.

GERADOR DE ENDEREÇOS

É um complemento à carteira bitcoin, que foi concebido e é mantido pela equipa base do bitcoin e que disponibiliza formas adicionais de criar e gerir endereços bitcoin.
Permite-lhe, por exemplo:
– Imprimir uma ‘paper wallet’ onde pode guardar bitcoins, ou enviar como oferta.
– Criar automaticamente um lote de par de chaves (pública e privada) – a carteira só lhe permite criar um endereço de cada vez.
– Criar um endereço bitcoin memorizável – por outras palavras, significa que pode gerar (e posteriormente usar) um endereço bitcoin a partir de uma password por si escolhida.

MINERAÇÃO

A mineração de bitcoin é o processo através do qual são geradas novas moedas, usando o poder de cálculo informático aplicado à criptografia para resolver cálculos complexos. A mineração também contribui para a confirmação das transações na rede ao incluí-las no bloco de moedas que é criado. Teoricamente, qualquer pessoa pode minerar bitcoins, usando o poder de cálculo do seu computador e software especializado para o efeito mas à medida que a dificuldade aumenta, vai diminuindo o o número de moedas que cada um consegue encontrar com o seu computador caseiro, sendo necessário hardware mais específico para a tarefa de mineração. Neste momento só mesmo máquinas especializadas conseguem ser rentáveis.

REDE P2P

Peer to Peer é uma rede descentralizada, em que a comunicação e a troca de dados se fazem diretamente entre as partes sem necessidade de recorrer a um nó centralizador.
Cada elemento da rede é um nó auto-suficiente, capaz de funcionar simultaneamente, quer como cliente (quando faz pedidos a outro nó) quer como servidor (quando responde a outros nós da rede).

Fonte: Cryptoescudo